Corrupção e violência no debate de candidatos à presidência do Brasil

Published in Política
segunda, 10 setembro 2018 08:57
Rate this item
(0 votes)

A violência e a corrupção, bem como um apelo unânime ao fim do ódio político, marcaram o terceiro debate televisivo entre seis dos candidatos à presidência do Brasil, este domingo à noite.

Álvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (Partido Democrático Trabalhista, PDT), Geraldo Alckmin (Partido da Social Democracia Brasileira, PSDB), Guilherme Boulos (Partido Socialismo e Liberdade, PSOL), Henrique Meirelles (Movimento Democrático Brasileiro, MDB) e Marina Silva (Rede) foram os candidatos presentes neste debate, que não contou com um representante do Partido dos Trabalhadores (PT).

O PT ainda não indicou um candidato à Presidência da República, depois do Tribunal Superior Eleitoral ter barrado a candidatura do ex-Presidente Luís Inácio Lula da Silva às eleições presidenciais, marcadas para 07 de Outubro, com a segunda volta a realizar-se três semanas depois, no dia 28.
Também Jair Bolsonaro, do Partido Social Liberal (PSL), manteve-se ausente por estar hospitalizado desde quinta-feira, depois de ter sido esfaqueado numa acção de campanha em Juiz de Fora, no estado de Minas Gerais.
Todos os candidatos presentes lamentaram o ataque ao político e pediram a pacificação da sociedade brasileira na primeira parte do debate, divido em blocos compostos por perguntas, respostas e comentários dos participantes.
No primeiro bloco, quase todos os candidatos abordaram propostas dos adversários, indicou o jornal Estadão, à excepção de Guilherme Boulos, que enfrentou directamente Meirelles, ex-ministro da Economia. "O compromisso da minha candidatura é enfrentar privilégios. O senhor vai enfrentar privilégios da sua turma?", questionou Boulos.
No segundo bloco, os temas em destaque foram a corrupção que abala o país, a Operação Lava Jato e a condenação do ex-Presidente Lula. O terceiro bloco trouxe ao debate o aumento dos salários no sistema judicial e os problemas de saneamento básico do país.
Já no quarto bloco, os candidatos responderam a perguntas de internautas, onde as desigualdades salariais entre homens e mulheres e a crise no sistema dos Correios estiveram em destaque.
Marina Silva lembrou o ataque a Bolsonaro e apostou numa campanha de paz, em que defendeu a união do Brasil e a necessidade de preservar a cultura indígena no país. A candidata sublinhou ainda importância da educação, chamando a "atenção principalmente do eleitorado feminino", de acordo com uma análise do Estadão.
Já Álvaro Dias destacou a corrupção e as falhas do sistema. "Hoje, é o ano novo da comunidade judaica e lembro que esse é o País das crenças e das religiosidades. Somos muitos Brasis dentro de um grande Brasil e devemos nos respeitar. O ódio cega a inteligência. A raiva e a inteligência alimentam a violência (...) O Brasil precisa abrir o olho", afirmou.
Alckmin sublinhou a necessidade de pacificação e união, que relacionou com as questões da educação e da segurança. "Os brasileiros já têm problemas demais. Não podemos ter um próximo Presidente para ter mais problemas. O Brasil já errou. Já erramos e vimos as consequências. Estamos preparados para fazer um grande esforço em torno da reforma tributária, da mudança política, da reforma do Estado para que o País se encontre", declarou.
Ciro Gomes apresentou-se como a mudança, e destacou o desemprego e a violência contra a mulher. "O Brasil não pode se manter com 13 milhões de desempregados" disse o candidato do PDT. Gomes acrescentou que os eleitores "devem observar mais para decidir o voto".
Meirelles disse concorrer à presidência pelo desejo de melhorar a vida dos brasileiros, e defendeu que tirou o país da maior recessão da história, enquanto ministro da Economia de Temer. "É só me chamar que trarei as respostas", sublinhou.
Já Boulos frisou a "invisibilidade dos pobres", ao mesmo tempo que afirmou ser o único candidato capaz de restaurar a solidariedade, por não ter "o rabo preso".
O debate, já considerado "morno" pelos partidos, teve um grande destaque na rede social Twitter, na qual os internautas foram questionados sobre o impacto da ausência de Jair Bolsonaro. De acordo com uma sondagem da plataforma Ideia Big Data, a maioria das respostas indicou que a ausência do candidato não teve nenhum impacto.
O debate foi promovido pela TV Gazeta, jornal O Estado de São Paulo e rádio Jovem Pan.(RM /NMinuto)

Read 259 times

Escolha do editor

Publicidade

Cultura

Sociedade

Ataques à Cabo Delgado: Audição de indiciados

Ataques à Cabo Delgado: Audição de indiciados

Em Cabo Delgado, prosseguem as audições no âmbito do julgamento dos mais de 180 cidadãos, entre naci...

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Showers

21°C

Maputo, MZ

Showers

Humidity: 85%

Wind: 22.53 km/h

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco