Print this page

Rússia inicia esta terça-feira as maiores manobras militares da sua história

Published in Mundo
segunda, 10 setembro 2018 14:50
Rate this item
(0 votes)

A Rússia dá início na terça-feira às maiores manobras militares da sua história, que envolvem perto de 300.000 homens e todos os ramos das forças armadas, bem como unidades da China e da Mongólia.

 

Os exercícios, designados Vostok (Leste) 2018, decorrem de 11 a 17 de Setembro na Sibéria Oriental e no Extremo Oriente russo. O exército russo comparou esta demonstração de força ao Zapad-81 (Oeste-81) que, há perto de 40 anos, mobilizou entre 100.000 e 150.000 soldados do Pacto de Varsóvia na Europa de Leste, no que foram as maiores manobras militares da era soviética.

"Vai parecer Zapad-81, mas mais imponente de uma certa maneira", disse o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, no final de agosto, adiantando que o contingente previsto para o Vostok 2018 inclui 300.000 soldados, 36.000 veículos militares (tanques, blindados de transporte de tropas, veículos de combate de infantaria), 1.000 aviões e 80 navios.

"E tudo isso, claro, numa situação tão próxima de uma situação de combate quanto possível", assinalou Shoigu na mesma altura.

Todo o equipamento moderno das forças armadas russas será utilizado: mísseis Iskander capazes de transportar ogivas nucleares, tanques T-80 e T-90 ou os recentes aviões de combate Su-34 e Su-35.

No mar, a frota russa destacará várias fragatas equipadas com mísseis Kalibr, que já deram provas na Síria.

As manobras vão decorrer num contexto de tensões entre a Rússia e os ocidentais, que incluem a crise ucraniana e o conflito na Síria, bem como numerosas acusações de ingerência na política ocidental.

"Trata-se de uma preparação para uma futura guerra mundial. O Estado-Maior russo calcula que ela ocorrerá depois de 2020: seja uma guerra global, seja uma série de conflitos regionais importantes. E o inimigo são os Estados Unidos e os seus aliados", disse o especialista militar russo Pavel Felguengauer à agência France-Presse.

Segundo o especialista, a participação da China nestes exercícios, embora seja de apenas 3.200 homens, é um factor chave.

"Não é tanto um sinal, uma mensagem, mas mais uma preparação para uma guerra real em grande escala", adiantou Felguengauer.

A opinião é partilhada pela NATO, que considera que Vostok 2018 "demonstra que a Rússia se está a concentrar no treino para um conflito em grande escala".

"Isto inscreve-se numa tendência que vemos há algum tempo: uma Rússia mais segura de si, que aumenta significativamente o seu orçamento de Defesa e a sua presença militar", indicou um porta-voz da Aliança Atlântica, Dylan White. (RM-NM)

Read 267 times