www.rm.co.mz

A+ A A-

Aeroporto de Nacala: Que melhor resposta ao futuro?

Classifique este item
(0 votos)

A operacionalização plena do Aeroporto Internacional de Nacala é um desafio que o país vai ter que enfrentar cara-a-cara uma vez que a escassas horas dali, existem dois aeroportos de referência regional, e com bastante fama pelo mundo fora. Trata-se dos aeroportos de Johannesburg, na África do Sul, e de Nairobi, no Quénia. Pelos vistos, chegou a hora de arregaçar as mangas e entrar para a luta de gigantes usando como armas as vantagens comparativas de que o país dispõe.

Muitos residentes daquela cidade portuária não esconderam o seu sentimento de alegria por terem um aeroporto internacional à mão de semear, o que, na sua óptica, vai induzir o desenvolvimento de muitas outras infra-estruturas com benefícios sociais e económicos afins.

A par dos que celebravam aquele feito, também encontram-se cidadãos cépticos em relação à dimensão do projecto porque, na sua óptica, Nacala ainda “precisa comer muita farinha” para atrair voos de grandes companhias internacionais que tragam e levem, de uma única vez, acima de 200 passageiros e com uma regularidade, por exemplo, semanal.

Leia também: "Calem-se as vozes da destruição" - Guebuza

Jerónimo Tambajane, o director do Aeroporto Internacional de Nacala (AIN), parece estar tranquilo em relação aos comentários dos cépticos porque entende que “os desafios são para ser enfrentados e vencidos”. Conforme afirmou, mostrava-se necessário aproveitar a localização geográfica estratégica de Nacala para erguer uma infra-estrutura capaz de aproximar Moçambique dos principais destinos do mundo.

“É claro que esperamos provocar e ter uma forte concorrência, sobretudo de Nairobi e de Johannesburg”, disse para depois acrescentar que o aeroporto de Dar-es-Salam, que se localiza na Tanzânia, não o assusta. “Nairobi é que é o desafio que devemos superar”, sublinhou.

Apesar de estar a projectar o futuro a partir de hipóteses, e não propriamente a partir de um estudo de mercado, Tambajane diz ainda que “havendo um possível tráfego internacional interessado em escalar Nacala, este poderá criar condições para que o tráfego regional e doméstico sejam alimentados a partir do AIN”.

Vantagens por explorar

Aeroporto nacala passageiros

O que parece ser ideia vincada é que o AIN está banhado de vantagens a começar pelo facto de estar dentro de uma Zona Económica Especial (ZEE) ainda em edificação, o que concorre em larga medida para que venha a ter muita procura por parte de homens de negócios nacionais e estrangeiros.

Em segundo lugar, a projecção daquele aeroporto terá sido feita a pensar na componente carga, coisa que escapa a muitos, daí que a aeronave crítica capaz de aterrar e partir dali seja de tipo Boeing 747 ou Airbus A340 para permitir a confluência com os sistemas ferroviário e rodoviário.

Em relação ao aeroporto de Nampula, que está a 200 quilómetros de Nacala, ou seja, a uns 20 minutos de voo, Tambajane afirma que aquele vai continuar de pedra e cal, pese embora possa ressentir-se de uma pequena redução de passageiros, uma vez que parte dos que voavam a partir de Nampula eram cidadãos estabelecidos em Nacala.

“O aeroporto de Nampula está a atender a um tráfego assinalável de nível doméstico caracterizado por dois voos diários para Maputo que estão sempre lotados mas, parte significativa destes passageiros são de Nacala”, disse acrescentando em seguida que o tráfego regional naquele aeroporto não é expressivo.

Sobre o impacto do AIN no aeroporto de Pemba, recentemente reabilitado, o director do aeroporto de Nacala aponta que este está a registar um crescimento de movimento que é fruto das pesquisas de gás e petróleo que estão a ocorrer na Bacia do Rovuma e de algum turismo que começa a ganhar força.

Tambajane diz que a sua certeza no sucesso do AIN resulta do facto desta nova infra-estrutura possuir um carácter integrado com fulcro nos projectos de escoamento de carvão a partir do Porto de Nacala-a-Velha, que se situa a escassos 30 quilómetros de Nacala-Porto e que trazem um imenso movimento de pessoas e bens.

Por outro lado, o governo aprovou um mega projecto turístico denominado “Crusse-Jamal” e um projecto agrícola interprovincial conhecido por ProSavana, ambos com investimentos avultados e necessidades de mão-de-obra interna e externa.

Outro ponto de suporte para a implantação daquele aeroporto internacional em Nacala chama-se “Aeroporto-Cidade” que, conforme apurámos, consiste na construção várias infra-estruturas multiuso em Nacala, no quadro de Parcerias Público Privadas (PPPs).

Fontes ligadas ao assunto indicam que esta iniciativa está muito avançada, o que equivale a dizer que tem “luz verde” para a construção de unidades hoteleiras, residenciais, comerciais, entre outros sob a égide do grupo Visabeira. “Como se pode ver existe um suporte para o AIN vingar”, afirma Jerónimo Tambajane.

Aeroporto à medida das necessidades

Os munícipes de Nacala que questionam o tamanho do aeroporto. A questão que colocam é, porquê construir um aeroporto enorme com base em expectativas de um eventual movimento futuro.

Sobre esta pergunta a Jerónimo Tambajane, respondeu de pronto e a seco. “Este aeroporto não é maior que as projecções. Ele foi concebido para ser a porta de entrada e de saída para atingirmos o mercado europeu, asiático e americano. É essa a intensão. Aliás, pode ser necessário ampliá-lo daqui a uns 10 anos sem termos que paralisar as operações”, frisou.

Certo de que os desafios que se avizinham serão duros, mas superáveis, o nosso interlocutor espreitou a sua cábula e rematou que o AIN está preparado em termos de recursos humanos para atender a todas as operações contando com mão-de-obra jovem e recrutada e formada a nível local, aos quais se juntam alguns técnicos com mais experiência seleccionados de outros aeroportos.

Aliás, as instituições de Estado que se relacionam com matérias aeroportuárias, nomeadamente Polícia, Alfândegas, Bombeiros, Saúde, Agricultura e Migração destacaram equipas de trabalho que já se familiarizaram com os equipamentos, cantos e recantos daquela infra-estrutura.

O dilema dos cortes de energia

O AIN é uma pêra mas, como todas as outras empreitadas que se erguem na região norte do país, está a receber energia da rede nacional “aos pingos”. Cortes de energia são tão frequentes que o director técnico do projecto, António Loureiro, classifica de “complicado”.

A Electricidade de Moçambique (EDM) já anunciou que está a busca de financiamentos para construir uma segunda linha para alimentar toda a zona norte do país que, até agora, conta apenas com uma linha de transporte que percorre mais de mil quilómetros desde a subestação de Chimuarra, na Zambézia, para fornecer energia às províncias de Nampula, Zambézia, Cabo Delgado e Niassa.

A par desta linha, a EDM diz que dentro em breve vai concluir a montagem de bancos compensadores nas subestações desta região para melhorar a qualidade do fornecimento. Porém, para o AIN todo este esforço pode se afigurar pequeno, na medida em que esta infra-estrutura, sozinha, consome cerca de quatro megawatt, o que equivale à energia eléctrica consumida por toda a cidade de Pemba.

Por causa disso, a EDM está a ser impelida a, rapidamente, construir uma linha dedicada a este novo aeroporto que se vai conectar aos diferentes geradores que esta infra-estrutura possui e que, até agora, garantem a redundância para que os equipamentos e máquinas ali instalados funcionem em estágio permanente.

Aeroporto nacala fachada 1

Afinal, havia muita procura e nenhuma oferta

O Aeroporto Internacional de Nacala (AIN) já está a receber aeronaves da empresa Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) em regime experimental e com a anuência do Instituto de Aviação Civil de Moçambique (IAC). A rota Maputo-Nacala está a ser explorada através de uma aeronave de tipo Embraer-145, com capacidade para 50 passageiros e, ao que tudo indica, a LAM poderá estar na contingência de usar um aparelho maior porque há demanda.

Expectativas por gerir

Por seu turno, o Conselho Municipal de Nacala entende que o estabelecimento daquele aeroporto internacional no seu perímetro de jurisdição é um marco importantíssimo para o seu próprio desenvolvimento, na medida em que vem se associar a outras iniciativas já estabelecidas.

Rui Chong Saw, novo edil de Nacala, que entende muito bem de negócios, por ser empresário, disse ao nosso jornal que esta infra-estrutura é um símbolo de desenvolvimento do município que se associa ao porto de águas profundas que a cidade alberga e ao Corredor de Nacala.

“Estes e outros projectos que aqui ocorrem têm a vantagem de atrair investidores e turistas que, de forma directa e indirecta, geram emprego e promovem o nosso desenvolvimento, sublinhou Chong Saw que acredita que, daqui a uns seis meses, aquele aeroporto terá actividades concretas que resultarão no desenvolvimento do turismo, negócios, entre outras actividades.

Por Jorge Rungo, in jornaldomingo.co.mz
Fotos de Mauro Vombe


Modificado em
Login para post comentários

Rádio Online - A. Nacional

Emissor Provincial de Gaza

Emissor Provincial de Sofala

RM Desporto

Emissor Provincial de Nampula

Tempo

Weather data OK.
Maputo
26 °C

Breves

Visit the new site http://lbetting.co.uk/ for a ladbrokes review.

Direcção de Informação:  email: dinfoweb@rm.co.mz; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP - 2015. Implementado por mozclique.com

Login or Register

LOG IN

fb iconLog in with Facebook

Register

User Registration