Assessores de Trump tiveram "reuniões secretas" com rebeldes venezuelanos

Published in Mundo
segunda, 10 setembro 2018 08:58
Rate this item
(0 votes)

Assessores do Presidente norte-americano terão tido "reuniões secretas" com militares rebeldes venezuelanos, em 2017, acabando Donald Trump por não apoiar uma suposta conspiração para derrubar Nicolás Maduro, noticiou, este domingo, o jornal The New York Times (NYT).

Segundo o diário nova-iorquino, os militares, que já tinham procurado acesso directo à administração norte-americana durante a presidência de Barack Obama, disseram representar centenas de milhares de oficiais das Forças Armadas Venezuelanas, que estavam insatisfeitos com o "autoritarismo de Maduro".
As reuniões secretas começaram no outono do ano passado, tiveram continuidade este ano, e os militares venezuelanos, segundo o NYT, pediram rádios encriptados, para comunicações mais seguras, "enquanto desenvolviam um plano para instalar um governo de transição para administrar o país, até que fosse possível realizar eleições".
O material pretendido, porém, não foi fornecido, e os planos desintegraram-se após a detenção de vários "conspiradores", pelas autoridades venezuelanas.
O jornal nova-iorquino, que diz ter falado com funcionários da casa Branca e um ex-comandante militar venezuelano, envolvidos nos contactos, precisa que o representante dos EUA nas reuniões não esteva autorizado a negociar "nada de substancial sobre o terreno", embora os militares venezuelanos esperassem receber também orientação e ideias.
Entre os rebeldes, segundo o NYT, encontravam-se membros das forças de segurança que Washington identifica com vários crimes, da tortura de presos políticos ao tráfico de droga e à colaboração com as FARC da Colômbia, identificada como organização terrorista pelos EUA.
O Governo venezuelano já reagiu à notícia do NYT, vinculando os EUA com o atentado falhado do passado dia 04 de Agosto, contra Nicolás Maduro, e convocou, para terça-feira, uma marcha contra o imperialismo.
"O Governo dos EUA reconhece ter tido pelo menos três reuniões com militares golpistas para dar um golpe de Estado (...). O magnicídio em grau de frustração foi dirigido pelo imperialismo. Quem tem dúvidas?", disse, este domingo, o número dois do chavismo e também presidente da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello.
No dia 04 de Agosto, duas explosões, que as autoridades venezuelanas dizem terem sido provocadas por dois 'drones' (aparelhos aéreos não tripulados), obrigaram o Presidente da Venezuela a abandonar rapidamente a cerimónia de celebração do 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar), que estava a decorrer em Caracas.
Pelo menos 43 pessoas foram detidas, entre as quais vários militares.(RM /NMinuto)

Read 206 times

Escolha do editor

Publicidade

Cultura

Músicos defendem continuação da venda de discos e CD’s

Músicos defendem continuação da venda de discos e CD’s

Apesar do avanço da tecnologia, há, ainda, quem aposta na criação de plataformas de música não digit...

Sociedade

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Clear

22°C

Maputo, MZ

Clear

Humidity: 75%

Wind: 30.58 km/h

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco