Organização sul-africana denuncia violência contra agricultores

Published in Mundo
quarta, 12 setembro 2018 07:14
Rate this item
(0 votes)

A Agri SA, maior grupo comercial agrícola na África do Sul, condenou, esta terça-feira, o que considera ser "a violência contínua que a comunidade agrícola e a sociedade sul-africana enfrentam diariamente", após o anúncio de estatísticas de criminalidade.

"É preocupante que tenham ocorrido 62 assassinatos em fazendas agrícolas durante 2017/2018. São 15 assassinatos a mais do que foi anunciado no parlamento no início deste ano", afirmou, em comunicado, Kobus Breytenbach, director do Centro de Excelência Agri SA: Segurança Rural.
O ministro da Polícia, Bheki Cele, anunciou, esta terça-feira, no parlamento que um total de 20.336 pessoas morreram entre Fevereiro de 2017 e Março de 2018, um aumento de 6,9% em relação ao mesmo período do ano passado, correspondendo a 56 mortes por dia.
"Os assassinatos e ataques à comunidade agrícola permanecem demasiadamente elevados e são inaceitáveis, a sociedade e o Governo deveriam tomar nota disso", refere o dirigente agrícola.
Na opinião de Breytenbach, "se mais sul-africanos e atores internacionais levantarem a problemática, haverá uma acção melhorada para se evitarem assassinatos e ataques nas fazendas agrícolas".
A organização, que representa 28 mil grandes agricultores na África do Sul, sublinha que nos últimos anos investiu mais de 10 milhões de rands (570 mil euros) na segurança e prevenção do crime, através do 'Agri Securitas Trust Fund', um fundo fiduciário privado de apoio a agricultores e trabalhadores agrícolas.
"A actividade desenvolvida pelo 'Agri Securitas Trust Fund' ao longo dos anos para proteger as comunidades agrícolas é louvável e tem demonstrado bons resultados", precisa Breytenbach.
Segundo os dados da polícia divulgadas ontem pelo Governo, o número de assassinatos aumentou desde 2011/2012.
Por outro lado, os chamados 'crimes de trio', ou seja, roubo de casa (61 incidentes por dia, decréscimo de 0,4%), roubo de negócios (55 por dia, decréscimo de 3,1%) e sequestros por 'carjacking' (45 por dia; decréscimo de 2.3%) diminuíram no ano passado, comparativamente ao ano anterior, onde houve um aumento.
"É o tipo de crime perante o qual a comunidade agrícola se encontra mais exposta e que afecta os meios de subsistência daqueles que trabalham na agricultura", afirma Breytenbach.
"Os níveis de brutalidade são demasiado elevados e deveria haver um esforço efectivo, apoiado pelos serviços secretos para que se encontrem soluções de resposta e se evite a cultura de violência contra a nossa comunidade agrícola", apelou ainda o dirigente.
A organização agrícola adianta no comunicado que pediu uma reunião urgente com o ministro da Polícia.(RM /NMinuto)

Read 395 times

Escolha do editor

Publicidade

Cultura

Maputo acolhe Primeiro Festival da Costa do Sol

Maputo acolhe Primeiro Festival da Costa do Sol

A cidade de Maputo acolhe, nos próximos dias 24 e 25 do corrente mês, a primeira edição do Festival...

Sociedade

Zambézia: Evitar fraudes nos exames

Zambézia: Evitar fraudes nos exames

A direcção provincial de Educação e Desenvolvimento Humano na Zambézia vai usar detectores de metais...

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Clear

21°C

Maputo, MZ

Clear

Humidity: 77%

Wind: 22.53 km/h

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco