×

Alerta

Falha ao carregar ficheiro XML

RCA: ONU e grupo rebelde conversam depois de confrontos

Published in Política
quarta, 10 abril 2019 08:24
Rate this item
(0 votes)

A missão da ONU na República Centro-Africana (Minusca) e um grupo armado estão em conversações, depois de os capacetes azuis terem causado vários mortos entre os milicianos deste, em combates recentes no oeste do país.

A ONU "promoveu discussões que ainda continuam hoje" com o grupo Frente Democrática do Povo Centro-Africano (FDPC), disse o porta-voz da Minusca, Vladimir Monteiro, à AFP.
"O objectivo é fazer passar a mensagem que não vamos tolerar mais ataques", acrescentou.
Desde sexta-feira que os capacetes azuis estão em operações militares contra o FDPC no oeste do país.
Uma nota interna das Nações Unidas, consultada pela AFP, menciona que foram mortos cinco membros do grupo armado, a que este contrapõe a existência de três vítimas mortais nas suas fileiras.
Um capacete azul também ficou ferido durante os confrontos, adiantou Monteiro, acrescentando que este já tinha saído, esta quarta-feira, do hospital.
A operação militar da ONU "permitiu estabelecer um posto militar avançado" em Zoukombo, onde estavam estacionados os elementos do FDPC atacados, ainda segundo Monteiro.
A ONU criticava o grupo por ter montado barricadas na estrada nacional 01, a única que permite o aprovisionamento da capital, Bangui, a partir dos Camarões, e roubado várias viaturas.
Depois da assinatura de um acordo de paz no início de Fevereiro, entre os dirigentes de Bangui e 14 grupos armados, entre os quais o FDPC, este tinha levantado barricadas para mostrar o seu descontentamento face às autoridades, a quem acusava de "desrespeitar" o acordo na formação do governo.
Estas barricadas tinham sido levantadas no início de Março.
Uma nova ronda negocial decorreu em meados de Março na Etiópia e um novo governo foi constituído no dia 22 desse mês.
Se o líder do grupo, Abdoulaye Miskine, declinou o cargo ministerial que lhe foi proposto, já um dos seus próximos foi nomeado "conselheiro especial" do primeiro-ministro e outro foi chefiar a prefeitura de Nana-Mambéré, uma região no oeste do país.
O acordo de Cartum, apoiado por todos os parceiros de Bangui e preparado desde 2017 pela União Africana, foi o oitavo assinado desde o início da crise, marcado pelo derrube em Março de 2013 do presidente François Bozizé.
O conflito na República Centro-Africana já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.
O Governo controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por mais de 15 milícias que procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim. (RM/ NMinuto)

Read 174 times

Escolha do editor

Publicidade

Sociedade

AR: Aprovada lei que proíbe uniões prematuras

AR: Aprovada lei que proíbe uniões prematuras

Os cidadãos envolvidos em uniões prematuras, como autores ou cúmplices, poderão ser presos ou multad...

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Maputo, MZ

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco