×

Alerta

Falha ao carregar ficheiro XML

RCA: ONU e grupo rebelde conversam depois de confrontos

Published in Política
quarta, 10 abril 2019 08:24
Rate this item
(0 votes)

A missão da ONU na República Centro-Africana (Minusca) e um grupo armado estão em conversações, depois de os capacetes azuis terem causado vários mortos entre os milicianos deste, em combates recentes no oeste do país.

A ONU "promoveu discussões que ainda continuam hoje" com o grupo Frente Democrática do Povo Centro-Africano (FDPC), disse o porta-voz da Minusca, Vladimir Monteiro, à AFP.
"O objectivo é fazer passar a mensagem que não vamos tolerar mais ataques", acrescentou.
Desde sexta-feira que os capacetes azuis estão em operações militares contra o FDPC no oeste do país.
Uma nota interna das Nações Unidas, consultada pela AFP, menciona que foram mortos cinco membros do grupo armado, a que este contrapõe a existência de três vítimas mortais nas suas fileiras.
Um capacete azul também ficou ferido durante os confrontos, adiantou Monteiro, acrescentando que este já tinha saído, esta quarta-feira, do hospital.
A operação militar da ONU "permitiu estabelecer um posto militar avançado" em Zoukombo, onde estavam estacionados os elementos do FDPC atacados, ainda segundo Monteiro.
A ONU criticava o grupo por ter montado barricadas na estrada nacional 01, a única que permite o aprovisionamento da capital, Bangui, a partir dos Camarões, e roubado várias viaturas.
Depois da assinatura de um acordo de paz no início de Fevereiro, entre os dirigentes de Bangui e 14 grupos armados, entre os quais o FDPC, este tinha levantado barricadas para mostrar o seu descontentamento face às autoridades, a quem acusava de "desrespeitar" o acordo na formação do governo.
Estas barricadas tinham sido levantadas no início de Março.
Uma nova ronda negocial decorreu em meados de Março na Etiópia e um novo governo foi constituído no dia 22 desse mês.
Se o líder do grupo, Abdoulaye Miskine, declinou o cargo ministerial que lhe foi proposto, já um dos seus próximos foi nomeado "conselheiro especial" do primeiro-ministro e outro foi chefiar a prefeitura de Nana-Mambéré, uma região no oeste do país.
O acordo de Cartum, apoiado por todos os parceiros de Bangui e preparado desde 2017 pela União Africana, foi o oitavo assinado desde o início da crise, marcado pelo derrube em Março de 2013 do presidente François Bozizé.
O conflito na República Centro-Africana já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.
O Governo controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por mais de 15 milícias que procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim. (RM/ NMinuto)

Read 130 times

Escolha do editor

Publicidade

Cultura

Festival AzGo em palco

Festival AzGo em palco

Arranca este sábado o Azgo, um dos maiores festivais culturais internacionais, realizados anualmente...

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Maputo, MZ

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco