×

Alerta

Falha ao carregar ficheiro XML

Oposição e militares juntos pela 1.ª vez no Sudão desde saída de Bashir

Published in Política
domingo, 14 abril 2019 07:27
Rate this item
(0 votes)

Os movimentos políticos por trás dos protestos que levaram à queda do presidente do Sudão Omar al-Bashir reuniram-se, este sábado, com o exército, pela primeira vez desde a saída do governante do poder.

O encontro aconteceu dias depois de os protestos terem posto fim aos 30 anos de governação de Bashir e, logo de seguida, à remoção do general Awad ibn Ouf do seu cargo como líder militar interino por também não ser aceite como líder legítimo.
O movimento político constituiu uma delegação de 10 elementos para apresentar o que disse serem "as exigências do povo" ao conselho militar, reiterando a sua rejeição do exercício do poder pelo exército.
O secretário-geral do Partido Baath Socialista Árabe no Sudão, Ali al-Sanhouri, disse, em conferência de imprensa, que está a ser feito um apelo à criação de vários órgãos de soberania civil que governem o país durante a transição.
Também, este sábado, o conselho militar de transição anunciou os 10 membros que o irão compor, incluindo o líder das Forças de Apoio Rápido, Mohamed Hamdan Daqlo, como vice-presidente.
Os manifestantes já declararam que se vão manter nas ruas até que um conselho de transição civil seja formado, embora temam que o exército, dominado por seguidores do antigo presidente, permaneça no poder indefinidamente.
Por seu lado, o general Abdel-Fattah Burhan, que sucedeu a ibn Ouf, disse que foram convidadas figuras de "todos os espectros" do povo sudanês para dialogar.
Burhan indicou, numa transmissão televisiva, que iria levantar o recolher obrigatório imposto desde quinta-feira e autorizou a libertação imediata de todos os detidos e julgados durante a vaga de protestos que começou em Dezembro.
No entanto, activistas disseram ontem que 16 pessoas, incluindo um soldado, foram mortas nos dois dias desde a saída de Bashir.
O conselho militar que dirige o Sudão anunciou também ontem a demissão do chefe dos serviços de informações sudaneses, NISS, principal agente de repressão da contestação no país.
Os protestos foram desencadeados no final do ano passado devido a aumentos de preços e escassez de produtos, e rapidamente tomaram a dimensão de uma revolta semelhante às "Primaveras Árabes" contra Bashir, que tomou o poder num golpe de estado em 1989.
Omar al-Bashir é procurado pelo Tribunal Penal Internacional por acusações de genocídio no Darfur, na década passada. (RM/ NMinuto)

 

Read 193 times

Escolha do editor

Publicidade

Sociedade

AR: Aprovada lei que proíbe uniões prematuras

AR: Aprovada lei que proíbe uniões prematuras

Os cidadãos envolvidos em uniões prematuras, como autores ou cúmplices, poderão ser presos ou multad...

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Maputo, MZ

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco