×

Alerta

Falha ao carregar ficheiro XML
Super User

Super User

O Governo aprovou esta terça-feira o decreto que altera competências e o regime jurídico do Hospital Central de Maputo.

A redefinição visa dotar o Hospital Central de Maputo, de autonomia administrativa, técnica e científica e tornar mais célere e sustentável, no atendimento à população.

A porta-voz do governo, Ana Comoana, explicou que, com o actual regime, o Hospital Central de Maputo passa a ser tutelada, exclusivamente, pelo Ministério da Saúde.

Na sessão desta terça-feira, o executivo desactivou o alerta Institucional Laranja, em vigor desde Dezembro passado, nas regiões centro e norte do país. ( RM)

Crise: Diplomatas russos abandonam Reino Unido

Published in Mundo
quarta, 21 março 2018 09:18

O Primeiro-Ministro israelita considera a chegada maciça de africanos, no seu país, de pior ameaça que o jihadismo.
Benjamin Netanyahu afirmou que a barreira electrónica na fronteira com o Egipto salvou Israel de ataques jihadistas e sobretudo da chegada maciça de migrantes africanos, que constituem uma séria ameaça.

De acordo com dados do Ministério do Interior israelita, 42.000 migrantes africanos vivem em Israel, especialmente sudaneses e eritreus.

O governo de Netanyahu prepara um polémico plano para expulsar milhares de migrantes que entraram, ilegalmente, no seu país. (RM RTP)

Só na semana passada: 27 mortos na estradas nacionais

Published in Breves
quarta, 21 março 2018 09:14

Vinte e sete mortos e sessenta e oito feridos, entre graves e ligeiros, é o resultado de trinta e seis acidentes de viação registados, semana passada, nas estradas nacionais.

O número de acidentes de viação representa um aumento na ordem de trinta e três porcento, comparativamente aos vinte e sete sinistros registados em igual período do ano passado.

O porta-voz do Comando-Geral da PRM, Inácio Dina, disse esta terça-feira, em Maputo, que figuram, entre as principais causas dos acidentes, o excesso de velocidade, corte de prioridade, ultrapassagem irregular, trânsito fora da mão, e deficiências mecânicas. ( RM)

Os Chefes de Estado e de Governo dos cinquenta e cinco Países  membros da União africana lançam hoje, em Kigali, no Ruanda, a Zona africana de comércio livre.  

Pelo menos vinte e seis  Chefes de Estado e de Governo, entre os quais, o estadista moçambicano, Filipe Nyusi irão  testemunhar o  acordo  que marca o lançamento formal da Zona de comércio-livre africana.

A iniciativa que marca um passo importante no projecto de integração económica regional faz parte de um pacote de reformas que inclui a independência económica e financeira da União Africana.

A Zona de comércio livre pretende tornar o continente africano numa das maiores economias mundiais e reforçar a sua capacidade de interagir em igualdade de condições com outros blocos económicos internacionais. (RM)

Novos preços de combustíveis

Published in Destaques
quarta, 21 março 2018 09:10

Os combustíveis e de outros produtos petrolíferos têm novos preços a partir de hoje.

A gasolina custa agora 65.01 meticais contra os anteriores 62.06 meticais por litro e o gasóleo é vendido a 61.16 meticais contra os anteriores 56.43 meticais o litro.

O petróleo de iluminação passa a ser comercializado a 50.45 meticais, contra os anteriores 46.98 meticais por litro e o gás comprimido custa agora 31.54 meticais contra os anteriores 29.62 meticais por litro.

O gás doméstico passa a custar 65.18 mt/kg contra o preço anterior de 68.43 meticais por quilograma.

Um comunicado do ministério dos recursos minerais e energia refere que o reajuste dos preços surge da aplicação na íntegra da lei, que estabelece a necessidade da revisão dos preços de venda ao público numa base mensal, sempre que se verifique uma variação do preço-base superior a três por cento, ou caso haja alteração dos impostos. (RM)

Governo desactiva Alerta laranja Institucional

Published in Destaques
quarta, 21 março 2018 09:05

O Conselho de Ministros desactivou o alerta laranja Institucional, em vigor desde Dezembro, nas regiões centro e norte do país.

Na sessao ordinaria realizada ontem, o Governo aprovou o decreto que altera competências e o regime jurídico do Hospital Central de Maputo.

Segundo a porta voz do conselho de ministros, Ana Comoana, a redefinição visa dotar o Hospital Central de Maputo, de autonomia administrativa, técnica e científica e tornar mais célere e sustentável, no atendimento público.

Na mesma sessão, o executivo aprovou o decreto sobre o Regulamento de Licenciamento e funcionamento das Agências Privadas de Emprego, um instrumento que visa assegurar maior protecção aos nacionais, recrutados para trabalhar no exterior. ( RM)

AR retoma 7a sessão

Published in Destaques
quarta, 21 março 2018 08:52

A Assembleia da República volta a reunir-se hoje, para dar seguimento aos trabalhos da sétima sessão ordinária interrompida por mais de quinze dias para dar lugar a realização da segunda volta da eleição intercalar no município de Nampula.

Na sessão plenária de hoje, os deputados irão apreciar e debater na generalidade a proposta de lei que estabelece os princípios e regras aplicáveis ao sector empresarial do estado.

Igualmente os parlamentares vão apreciar e debater na especialidade a proposta de revisão da lei que cria o Gabinete de informação Financeira de Moçambique. ( RM)

Antigo presidente francês Nicolas Sarkozy detido

Published in Mundo
terça, 20 março 2018 10:57

O antigo presidente francês Nicolas Sarkozy foi detido esta terça-feira e encontra-se nas instalações da Polícia Judiciária de Nanterre. Em causa está o alegado financiamento ilícito à sua campanha eleitoral de 2007.
Nicolas Sarzozy, antigo presidente da República francesa, foi detido esta terça-feira na sequência de alegado financiamento ilícito à sua campanha eleitoral de 2007. Sarkozy estará a prestar declarações nas instalações da Polícia Judiciária de Nanterre. Refere o Le Monde, que esta é a primeira vez que o ex-chefe de Estado é chamado para esclarecer a acusação de que foi alvo em Abril de 2013.
Recorde-se que Sarkozy é interveniente num processo em que se procura confirmar se o ditador líbio Muammar Kadhafi ajudou a financiar a sua campanha eleitoral de 2007.
Em Novembro de 2016, o empresário e intermediário Ziad Takieddine afirmou ter recebido cinco milhões de euros em dinheiro entre o final de 2006 e início de 2007, de Tripoli para Paris, que entregou a Claude Géant e Nicolas Sarkozy, que era então ministro do Interior.
A justiça francesa recuperou a agenda do ministro do Petróleo de Kadafi, Choukri Ghanem, que morreu em 2012 em circunstâncias pouco claras, onde os pagamentos de dinheiro a Sarkozy eram mencionados.
Um ex-colaborador do líder líbio que estava encarregue das relações com a França, Bechir Saleh, também assegurou ao "Le Monde" que Kadafi disse que "ele havia financiado Sarkozy".
De acordo com o "Le Monde", esta detenção significa que os magistrados consideram ter provas suficientes para o incriminar.
Sarkozy sempre negou as acusações, classificando-as de "manipulação e crueldade".
O período de detenção de Sarkozy poderá durar até 48 horas. (RM NMinuto)

O julgamento do jornalista angolano, Rafael Marques, arrancou, esta segunda-feira em Luanda, numa sessão marcada pela ausência do ofendido, o ex-Procurador-Geral da República de Angola (PGR), João Maria de Sousa.

Além do jornalista e activista Rafael Marques é também arguido no processo o jornalista angolano Mariano Costa, acusados dos crimes de injúrias contra a autoridade pública e de ultraje a órgão de soberania, o primeiro pela publicação de um artigo em que indicia que João Maria de Sousa está "envolvido em corrupção", e o segundo pela republicação da mesma notícia no seu jornal. Na leitura da acusação, a procuradora do Ministério Público, Tânia Guimarães, referiu que "os arguidos agiram de modo livre, consciente e deliberado".
O artigo publicado no portal de notícias Maka Angola, de Rafael Marques, refere ainda, segundo a acusação, que o antigo PGR de Angola requereu em 2011, uma parcela de terreno, de três hectares, para a construção de um condomínio residencial com vista para o mar, no município do Porto Amboim, província do Cuanza Sul.
Nesta primeira sessão, questionado pela juíza sobre o que o leva a concluir o envolvimento de João Maria de Sousa em supostos actos de corrupção, Rafael Marques respondeu que foi a facilidade e celeridade como decorreu o processo de requerimento de terreno.
Rafael Marques disse que o deferimento do requerimento foi feito num prazo de cerca de dois meses, quando, pelo conhecimento que tem, com o seu trabalho de investigação, tal costuma demorar entre dois a três anos.
Segundo ainda Rafael Marques, há também a destacar a ausência de documentos no processo para a concessão do título de superfície, nomeadamente uma declaração do soba (autoridade tradicional) da área a especificar que tipo de terreno se tratava, a falta de recibos de pagamento dos técnicos e da indemnização dos camponeses.
O jornalista salientou ainda que foi através de uma denúncia de camponeses, os alegados donos do terreno, que deu início às investigações, que culminaram com a publicação do artigo, depois de aguardar por mais de uma semana resposta a um questionário sobre o assunto que enviou ao então PGR.
No mesmo texto, Rafael Marques escreveu que João Maria de Sousa, enquanto PGR, demonstrava "desrespeito pela Constituição, envolvendo-se numa série de negócios" que contavam com o "apadrinhamento" do então Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos, "que lhe apara o jogo".
"Aqui se aplica o princípio informal e cardeal da corrupção institucional em Angola, segundo o qual, uma mão lava a outra", salienta a acusação, citando o artigo.
Pelo facto, a acusação considera que o antigo chefe de Estado angolano, "na qualidade de órgão de soberania foi tratado de modo ultrajante" pelos arguidos.
Instado a esclarecer o que era na sua percepção o "apadrinhamento" pelo ex-Presidente da República, o jornalista disse que já tinha realizado várias denúncias públicas que fez chegar igualmente a José Eduardo dos Santos, sobre a suposta participação de João Maria de Sousa em actividades alegadamente incompatíveis com o cargo que ocupava, como a de sócio-gerente em duas empresas privadas.
Os autos referem que no decurso da participação criminal, apurou-se com as diligências efectuadas que o ex-PGR requereu efectivamente a parcela de terreno, tendo-lhe sido conferido o título de concessão de direito de superfície, a 25 de maio de 2011, porém passado um ano, por falta de pagamento dos emolumentos, foi revogada a titularidade do terreno.
Em declarações à imprensa, no final da sessão, a defesa de Rafael Marques, considerou positiva a postura em tribunal do seu constituinte, tendo lamentado a ausência dos declarantes e sobretudo do ofendido, cuja presença considerou "crucial" para "ajudar o tribunal a formular o seu juízo".
"Por isso mesmo a sessão foi adiada para o dia 16 de Abril, esperamos que apareça o ofendido e os outros declarantes que fazem parte do processo na sua origem no Sumbe, porque sem eles será dificultada a possibilidade de o tribunal fazer justiça", disse Horácio Junjuvili.(RM /NMinuto)

Escolha do editor

Publicidade

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Maputo, MZ

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco