Top Ad
Millenium Bim
www.bimcom
A sua banca aqui consigo
Matola Gas Company
www.mgc.com
A força da energia limpa moçambiana!
×

Alerta

Falha ao carregar ficheiro XML

Humanidade inteira ameaçada, afirma ONU ao lançar plano humanitário

Published in Recomendado
quarta, 25 março 2020 18:48
Rate this item
(0 votes)

A pandemia da covid-19 "ameaça toda a humanidade", afirmou esta quarta-feira o secretário-geral da ONU, António Guterres, ao lançar o "Plano de Resposta Humanitária Mundial", que se estende até Dezembro.

 

Guterres fez ao mesmo tempo um pedido de doações de dois mil milhões de dólares.

O objectivo do plano "é permitir combater o vírus nos países mais pobres do mundo e responder às necessidades das pessoas mais vulneráveis, nomeadamente as mulheres e as crianças, os idosos, os deficientes e os doentes crónicos", precisou o dirigente das Nações Unidas numa declaração vídeo.

Face a esta ameaça, "o conjunto da humanidade deve ripostar. Uma acção e uma solidariedade mundiais são cruciais", adiantou.

"As respostas individuais dos países não serão suficientes", assinalou o antigo primeiro-ministro português, que na semana passada evocou a perspectiva de "milhões" de mortes por falta de solidariedade.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

A covid-19 já começou a afectar países em crise humanitária devido a guerras, desastres naturais ou alterações climáticas.

"Não podemos perder os ganhos obtidos com investimentos em acções humanitárias e nos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável", insistiu António Guterres.

O apelo a doações lançado pela ONU -- modesto tendo em conta os dois biliões de dólares desbloqueados por Washington para a economia norte-americana -, visa cobrir o período entre Abril e Dezembro de 2020, sugerindo uma crise mais longa.

O valor total integra os apelos a doações já feitos por várias agências da ONU  (Organização Mundial de Saúde, Programa Alimentar Mundial, Alto Comissariado para os Refugiados, Fundo para a Infância...).

A OMS deve beneficiar de 450 milhões de dólares, a UNICEF de 405 (374,7) e o PAM de 350 milhões de dólares.

António Guterres pediu ainda que continuem a ser feitas as contribuições dos 193 membros da ONU para a ajuda humanitária já dada, que beneficia anualmente 100 milhões de pessoas em todo o mundo. Sem isso, a pandemia pode levar a outras pandemias como cólera, sarampo, etc, alerta a organização.

Detalhado num documento de 80 páginas, o plano humanitário será aplicado pelas diferentes agências da ONU, com um "papel directo" das organizações não-governamentais. É coordenado pelo secretário-geral adjunto das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários, Mark Lowcock.

Os fundos permitirão comprar equipamento médico para testar e tratar os doentes, instalar locais de lavagens de mãos nos campos de refugiados, lançar campanhas de informação e estabelecer pontes aéreas com África, Ásia e América Latina, precisou a ONU.

As necessidades precisas de vários países estão ainda a ser determinadas. O documento refere em particular duas dezenas de países prioritários para receberem ajuda, entre os quais vários com conflitos armados -- Afeganistão, Líbia, Síria, República Centro Africana, Sudão do Sul, Iémen, Venezuela, Ucrânia -, mas também outros Estados como o Irão ou a Coreia do Norte são analisados.

Embora observe que é difícil fazer previsões sobre a evolução da pandemia, a ONU coloca dois cenários.

O primeiro é de um controlo rápido da doença, com uma desaceleração da sua progressão em "três a quatro meses", permitindo "uma recuperação relativamente rápida" quer ao nível de saúde pública quer da situação económica.

O segundo cenário inclui uma "progressão rápida da pandemia nos países frágeis e em desenvolvimento", nomeadamente em África, na Ásia e em algumas partes do continente americano. Isto significa fronteiras fechadas durante mais tempo e a continuação de restrições à liberdade de movimentos, "contribuindo ainda mais para uma desaceleração mundial que já está em curso". (RM-NM)

Read 155 times

Escolha do editor

Publicidade

Cultura

Saxofonista Manu Dibando morreu vítima de Covid-19

Saxofonista Manu Dibando morreu vítima de Covid-19

O saxofonista Manu Dibango, natural dos Camarões, morreu, esta terça-feira, em França aos 86 anos, v...

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Maputo, MZ

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco