Top Ad
Millenium Bim
www.bimcom
A sua banca aqui consigo
Matola Gas Company
www.mgc.com
A força da energia limpa moçambiana!
×

Alerta

Falha ao carregar ficheiro XML

Crescente rivalidade com Washington ameaça ambições da China

Published in Breves
sexta, 21 dezembro 2018 11:19

A crescente rivalidade com os Estados Unidos marcou a China, em 2018, num momento em que o líder chinês, Xi Jinping, legitima o seu novo estatuto como presidente vitalício com a projecção do país além-fronteiras, consideram analistas.

 

No ano em que Xi anunciou o início de uma "nova era" e reforçou o poder interno ao abolir o limite de mandatos para o seu cargo, com o objectivo final de firmar a posição da China como grande potência, até meados deste século, Washington definiu o país como a sua "principal ameaça", apostando numa estratégia de contenção das ambições chinesas que ameaça bipolarizar o cenário internacional.

"Nas últimas décadas, a liderança chinesa trabalhou com base nas suposições de que os EUA nunca romperiam com o sistema global baseado em regras e tratados, que construíram desde a II Guerra Mundial, e que os desafios internos da China seriam sempre a sua prioridade", descreve Kerry Brown, professor de Estudos Chineses no Kings' College de Londres.

"No entanto, ambas as certezas foram abaladas em 2018", afirma.

Uma guerra comercial espoletou já entre as duas maiores economias mundiais, com Washington a aumentar as taxas alfandegárias sobre 250 mil milhões de dólares de bens chineses, visando conter as ambições tecnológicas e geopolíticas de Pequim.

Este mês, Meng Wanzhou, a directora financeira da gigante chinesa das telecomunicações Huawei, foi detida pelas autoridades canadianas, a pedido dos EUA, por suspeita de ter mentido sobre uma filial da empresa, para poder aceder ao mercado iraniano, violando sanções norte-americanas.

A marinha norte-americana reforçou ainda as patrulhas no Mar do Sul da China, reclamado quase na totalidade por Pequim, apesar dos protestos dos países vizinhos, enquanto Washington tem reforçado os laços com Taiwan, que se assume como uma entidade política soberana, contra a vontade de Pequim, que ameaça "usar a força" caso a ilha declare independência.

Referências a uma nova Guerra Fria são agora comuns entre funcionários chineses e norte-americanos.

"Podemos certamente pensar em várias frentes de batalha: no comércio, informática, defesa (Mar do Sul da China) ou tecnologia (5G). Mas isto é uma guerra entre uma superpotência mundial em declínio (os EUA) e uma em ascensão (a China)", considera Timothy Ash, estrategista na BlueBay, empresa gestora de activos.

A crescente animosidade de Washington face à China surge numa altura em que Xi assume o desejo de aproximar o país do centro da governação dos assuntos globais, abdicando do "perfil discreto" na política externa chinesa, que vigorou durante décadas.

A nova vocação internacionalista do país materializa-se no gigantesco plano de infra-estruturas 'uma faixa, uma rota', que visa conectar o sudeste Asiático, Ásia Central, África e Europa, e é vista como uma versão chinesa do 'Plano Marshall', lançado pelos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial, e que permitiu a Washington criar a fundação de alianças que perduram até hoje.

"Devemos reconhecer que a base fundamental para a relação entre os EUA e a China mudou", considera Ash.

"Antes de Donald Trump, a relação era inclusiva ou até simbiótica. A ideia era que a China podia tornar-se 'um de nós', à imagem do Ocidente. Mas existe agora o reconhecimento de que a postura das administrações anteriores falhou. Talvez tenha facilitado o crescimento global, através da globalização, mas a China tem sido o vencedor desproporcional e esmagador", acrescentou.

No mais simbólico discurso sobre a China da actual administração norte-americana, o vice-presidente Mike Pence acusou o país de "agressão económica", "crescente militarismo", e de recorrer à armadilha do endividamento para fazer avançar os seus interesses nos países em desenvolvimento, "contestando as vantagens geopolíticas dos Estados Unidos e tentando mudar a ordem internacional a seu favor".

"As administrações anteriores ignoraram as acções da China - e, em muitos casos, ajudaram Pequim", afirmou. "Mas esses dias chegaram ao fim". (RM-NM)

Read 279 times

Escolha do editor

Publicidade

Cultura

Festival AzGo em palco

Festival AzGo em palco

Arranca este sábado o Azgo, um dos maiores festivais culturais internacionais, realizados anualmente...

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Maputo, MZ

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco