Top Ad
Millenium Bim
www.bimcom
A sua banca aqui consigo
Matola Gas Company
www.mgc.com
A força da energia limpa moçambiana!
×

Alerta

Falha ao carregar ficheiro XML

Grupo rebelde no Sudão rejeita acordo de partilha de poder

Published in Política
segunda, 05 agosto 2019 22:57
Rate this item
(0 votes)

O grupo rebelde Frente Revolucionária Sudanesa, parte do movimento de protesto no país, afirmou hoje que não vai aceitar o acordo de partilha de poder assinado recentemente entre o Conselho Militar e a oposição civil.

O grupo considera que o documento constitucional que as duas partes começaram a finalizar durante o fim-de-semana não inclui "princípios básicos" para alcançar a paz no Sudão.
De acordo com o grupo, citado pela Associated Press, a coligação de protesto ignorou a posição dos rebeldes e estes vão procurar alterar o acordo antes da assinatura da versão final, prevista para o próximo dia 17.
O movimento de protesto civil considera que alcançar a paz é a prioridade de um conselho de transição entre militares e civis.
O movimento civil de contestação e os dirigentes militares que detêm o poder no Sudão assinaram o texto constitucional acordado no sábado que estabelece as bases para um governo de transição nos próximos três anos.
O texto foi assinado pelo vice-presidente do conselho militar de transição, general Mohamed HamdanDagalo, e pelo representante da oposição civil Ahmad Rabea numa cerimónia com a presença de mediadores da Etiópia e da União Africana.
Os dirigentes militares e os líderes do movimento de contestação no Sudão chegaram no sábado a acordo sobre um texto constitucional que abre caminho a uma transferência de poder para civis, segundo o mediador da União Africana.
Em 17 de Julho, e após difíceis negociações, os generais no poder e os líderes do movimento opositor já tinham chegado a acordo sobre a criação de um Conselho Soberano composto por cinco militares e seis civis e que liderará o período de transição até à realização de eleições.
As questões pendentes diziam respeito aos poderes deste Conselho Soberano, ao destacamento de forças de segurança e à imunidade dos generais envolvidos na repressão dos protestos.
O Sudão tem assistido a um movimento de contestação desde Dezembro de 2018, desencadeado pelo triplicar do preço do pão, mas que se transformou em contestação ao regime e levou à destituição, em Abril, do Presidente Omar al-Bashir, após 30 anos no poder.
A contestação manteve-se para reclamar um governo civil e melhores condições de vida para as populações mesmo depois da constituição de um Conselho Militar.
Desde Dezembro, a repressão da contestação causou 246 mortos, incluindo 127 manifestantes em 03 de Junho num acampamento em Cartum, segundo um balanço do comité de médicos.
As autoridades apresentam balanços divergentes e com números de mortos e feridos bastante inferiores.(RM /NMinuto)

Read 620 times

Escolha do editor

Publicidade

Sociedade

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Maputo, MZ

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco