Top Ad
Millenium Bim
www.bimcom
A sua banca aqui consigo
Matola Gas Company
www.mgc.com
A força da energia limpa moçambiana!
×

Alerta

Falha ao carregar ficheiro XML

Somália é dos lugares mais perigosos do mundo para jornalistas

Published in Mundo
sexta, 14 fevereiro 2020 11:46
Rate this item
(0 votes)

A Somália tornou-se num dos lugares mais perigosos do mundo para se ser jornalista, que são alvo de ataques quer do Al-Shabaab, quer das forças de segurança do governo, concluiu a Amnistia Internacional num relatório, esta quinta-feira, divulgado.

"Uma onda de ataques violentos, ameaças, assédio e intimidação de trabalhadores dos 'media' está a transformar a Somália num dos lugares mais perigosos do mundo para se ser jornalista", afirmou a Amnistia Internacional.
O documento divulgado pela organização internacional de defesa dos direitos humanos relatou a "dramática deterioração" da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa, que se tem verificado na Somália desde que o Presidente Mohamed Abdullahi 'Farmajo' tomou posse, em fevereiro de 2017.
Pelo menos oito jornalistas foram mortos no país desde que o Presidente 'Farmajo' tomou posse, cinco dos quais morreram em ataques indiscriminados do Al-Shabaab, dois foram mortos por atacantes não identificados e um foi morto a tiro por um agente da polícia federal.
Segundo o documento, naquele país os jornalistas são alvos de ataques, tanto da Al-Shabaab, como das forças de segurança do governo, de um aumento da censura e de prisões arbitrárias, o que já levou oito profissionais a fugirem do país.
"Os jornalistas somalianos estão cercados. (...) São baleados, espancados e presos arbitrariamente. Os jornalistas estão a trabalhar em condições horríveis", disse Deprose Muchena, directora da Amnistia Internacional para a África Oriental e Austral.
E "esta repressão ao direito à liberdade de expressão e à liberdade dos 'media' está a acontecer impunemente, porque as autoridades dificilmente investigam ou processam os perpetradores de ataques a jornalistas", acrescentou.
Neste contexto, a Amnistia Internacional exortou, no relatório, o Governo "a respeitar, proteger, promover e cumprir o direito à liberdade de expressão e à liberdade dos 'media' antes, durante e depois das eleições, previstas para 2021" naquele país.
A organização apelou a que as autoridades do país criem um ambiente "propício e seguro" para que os profissionais dos meios de comunicação social possam relatar questões sensíveis e do interesse público.
Desde finais de 2017, a liberdade de imprensa na Somália tem vindo a ser suprimida pelas forças de segurança e oficiais do Governo Federal da Somália, pelas autoridades dos estados regionais e pelo grupo armado Al-Shabaab.
O relatório documentou alegações de ameaças, assédio e intimidação aos 'media', incluindo ataques físicos, assassinatos e tentativas de assassinato de jornalistas, inclusive com carros armadilhados com explosivos, prisões arbitrárias, assédio e intimidação de jornalistas e outros críticos, bem como restrições no acesso à informação.
Além disso, documentou novas técnicas usadas pelas autoridades para subornar os meios de comunicação para que usem a auto censura.
Tudo com o objectivo de obterem por parte dos meios de comunicação social uma cobertura positiva dos acontecimentos.
O assédio 'online', a intimidação e a manipulação dos meios de comunicação social são outros dos meios utilizados na Somália para controlar a informação. (RM/ NMinuto)

Read 211 times

Escolha do editor

Publicidade

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Maputo, MZ

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco