×

Alerta

Falha ao carregar ficheiro XML

Taxa de Juro de Política Monetária reduz em 150 pontos base para 11,25%

Published in Economia
sexta, 17 abril 2020 12:27
Rate this item
(0 votes)

O Comité de Política Monetária (CPMO) do Banco de Moçambique decidiu reduzir a taxa de juro de política monetária, taxa MIMO, em 150 pontos base (pb), para 11,25%.

 

A decisão foi sustentada pela expressiva revisão em baixa das perspectivas de inflação para o médio prazo, num contexto de maior declínio da procura agregada em resultado do impacto da COVID-19 na economia doméstica e internacional.

O CPMO decidiu, igualmente, reduzir as taxas da Facilidade Permanente de Depósitos (FPD) e da Facilidade Permanente de Cedência (FPC) em 150 pb, para 8,25% e 14,25%, respectivamente, e manter os coeficientes de Reservas Obrigatórias (RO) para os passivos em moeda nacional e em moeda estrangeira em 11,50% e 34,50%, respectivamente.

A presente projecção da inflação é substancialmente menor do que a efectuada em Fevereiro.

A revisão em baixa da inflação decorre do declínio acentuado da procura interna, num cenário de prolongamento das medidas de restrição impostas pelo Estado de Emergência, bem assim das perspectivas de redução do preço do petróleo no mercado internacional.

Em Março, a inflação anual de Moçambique desacelerou para 3,09%, após 3,55% no mês anterior.

As perspectivas de crescimento económico para 2020 deterioram-se e os esforços de recuperação pós-ciclones retraem-se.

Prevê-se que as consequências económicas da materialização da COVID-19 sejam severas, num cenário em que a economia moçambicana já se encontra debilitada em virtude dos efeitos dos ciclones Idai e Kenneth e da instabilidade militar nas zonas norte e centro do país.

A combinação desses factores implicará contracções nas indústrias extractiva e transformadora, bem como nos sectores de transportes, comércio e serviços, hotelaria e restauração, ao todo representando cerca de 58% do Produto Interno Bruto (PIB). As perspectivas de um bom desempenho na agricultura, sector com um peso médio de 25% no PIB, poderão não ser suficientes para amortecer os efeitos negativos nos restantes sectores da economia.

A política monetária tem espaço para continuar a apoiar as políticas do país na mitigação dos efeitos da COVID-19. As perspectivas de inflação continuam a melhorar e as reservas internacionais do país, no montante de cerca de USD 3.900 milhões, situam-se em níveis confortáveis para cobrir mais de 6 meses de importações.

Perspectiva-se maior pressão sobre a despesa pública. O recente alívio do serviço da dívida de cerca de USD 15 milhões pelo Fundo Monetário Internacional, será redireccionado para o combate à COVID-19, mas as elevadas necessidades da economia poderão implicar maior pressão sobre a despesa pública, num contexto de contracção acentuada da receita pública.

Desde a sessão do CPMO de Fevereiro, a dívida pública interna, excluindo contratos de mútuo e de locação e as responsabilidades em mora, aumentou de 155.256 milhões para 160.756 milhões de meticais, reflectindo, essencialmente, a emissão de obrigações do Tesouro.

Para o horizonte de curto a médio prazo, aumenta a preocupação do CPMO em relação ao impacto da COVID-19 sobre a actividade económica.

Assim, o CPMO continuará a monitorar os indicadores económico-financeiros, os factores de risco e o seu impacto sobre as perspectivas de inflação e a actividade económica, e poderá tomar as medidas correctivas necessárias antes da sua próxima reunião ordinária, agendada para o dia 17 de Junho de 2020. (RM)

Read 371 times

Escolha do editor

Publicidade

Sociedade

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco