África CDC negoceia com Pfizer para levar medicamento ao continente

Publicado: 13/01/2022, 18:32

O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC) está em negociações com a farmacêutica Pfizer para tornar o medicamento Paxlovid contra a covid-19 acessível no continente, anunciou esta quinta-feira o director do centro.

 

"Estamos em negociações estreitas com a Pfizer para vermos o que pode ser feito para tornar o medicamento deles disponível no continente e acessível ao continente, o Paxlovid", disse John Nkengasong na sua conferência de imprensa semanal por videoconferência desde Addis Abeba, a sede do África CDC.

O cientista explicou que o África CDC está "activamente envolvido" nesse objectivo porque acredita que em 2022 será necessária uma combinação de três abordagens para manter a pandemia sob controlo.

"Uma é aumentar a vacinação, a segunda é expandir os testes e a terceira é garantir que há um tratamento disponível e facilmente acessível", disse.

Nkengasong explicou a importância do tratamento com a eventualidade de surgir uma nova variante tão transmissível como a Ómicron, mas que provocasse doença grave, o que esgotaria o sistema hospitalar.

"A única forma de aliviar [os hospitais] seria termos um medicamento como o Paxlovid, que permitisse que as pessoas tomassem o comprimido e ficassem em casa", afirmou.

O virologista defendeu também como prioritária a necessidade de descentralizar a distribuição de testes "para que as pessoas possam testar-se ao nível comunitário e tomar medidas ao nível individual".

"Longe vão os dias em que fazíamos rastreamento de contactos. Hoje é muito difícil porque o vírus está em toda a parte. Mas acredito que com o alargamento da testagem podemos realmente continuar a fazer a diferença no controlo do vírus", disse.

O director do África CDC reiterou ainda o apelo à vacinação, num continente em que apenas 10,1% da população está completamente vacinada, mas onde apenas 60% das vacinas recebidas foram administradas.

"As vacinas salvam vidas e é apenas através da vacinação, combinada com outros factores, que vamos sair desta crise", sublinhou.

Segundo Nkengasong, as populações no continente tendem a acorrer à vacinação em períodos de pico de infeções e de hospitalizações, o que não é suficiente.

O responsável disse compreender que os países tornem a vacinação obrigatória, "se a população não está pronta para tomar as vacinas que os governos e o África CDC se esforçaram tanto para trazer para o continente".

A covid-19 provocou 5.503.347 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detectada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em Novembro, foram notificadas infecções em pelo menos 110 países.

O Paxlovid é um medicamento antiviral oral que reduz a capacidade do SARS-CoV-2 (o coronavírus que causa a covid-19) de se multiplicar no corpo.

A Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) está a avaliar o pedido da farmacêutica Pfizer para a comercialização do medicamento, destinado a casos leves e moderados de covid-19. (RM-Angop)

Pesquisar

Últimas Notícias

Rádio Moçambique

Rua da Rádio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP
Email: info@rm.co.mzFixo: +258 21 42 99 08Fax: +258 21 42 98 26
Subscreva agora

Bem-vindo ao nosso Centro de Subscrição de Newsletters Informativos. Subscreva no formulário abaixo para receber as últimas notícias e actualizações da Rádio Moçambique.

Instale a nossa App

crosschevron-down linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram