EUA propõem que Rússia seja excluída do Conselho dos Direitos Humanos

Publicado: 01/03/2022, 18:38
Categoria:

Os Estados Unidos sugeriram esta terça-feira que a Rússia seja excluída do Conselho dos Direitos Humanos, numa sessão deste órgão das Nações Unidas, em Genebra, na qual a invasão russa da Ucrânia tem dominado as intervenções.

 

"É razoável perguntar se um Estado-membro da ONU que tenta ocupar outro Estado-membro da ONU, comete violações horríveis dos direitos humanos e causa um enorme sofrimento humanitário, deve ser autorizado a permanecer neste Conselho", disse, num discurso por vídeo, o chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Antony Blinken.

O Conselho é formado por 47 países que passam por um processo de selector para integrar este órgão, por períodos de três anos.

A situação dos direitos humanos "vai agravar-se" ainda mais se o Presidente russo, Vladimir Putin, ganhar a guerra, advertiu também o secretário de Estado norte-americano na 49.ª sessão do Conselho dos Direitos Humanos da ONU, que começou esta segunda-feira e decorre até 01 de Abril.

"Se o Presidente Putin alcançar o seu objectivo declarado de derrubar o Governo democraticamente eleito da Ucrânia, as crises humanitárias e de direitos humanos só irão piorar", afirmou Antony Blinken.

"A Rússia bombardeia escolas, hospitais e áreas residenciais, destrói infra-estruturas essenciais que permitem que milhões de ucranianos tenham acesso a água potável e a gás e electricidade, sem os quais morrem de frio", acusou o secretário de Estado norte-americao.

"Hora a hora" aumentam as denuncias de violações do direito internacional e dos direitos humanos por parte da Rússia na sua ofensiva militar na Ucrânia, sublinhou.

O chefe da diplomacia dos EUA pediu a união do Conselho dos Direitos Humanos e apelou para que rejeite o argumento da Rússia, que anteriormente tentou, no mesmo fórum, justificar a sua incursão na Ucrânia, insistindo que a intenção é proteger a comunidade de língua russa, que alegadamente é atacada e humilhada.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, deveria ter ido pessoalmente a Genebra, mas anulou na segunda-feira a deslocação invocando as "sanções anti-rrussas" que o proíbem de sobrevoar a União Europeia.

Em vez disso, fez um discurso pré-gravado em vídeo, que muitas delegações dos países ocidentais e a delegação da Ucrânia boicotaram hoje.

Os diplomatas, constatou a France-Presse, abandonaram ostensivamente a sala deixando-a quase vazia quando o vídeo com o discurso de Lavrov começou a ser transmitido.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e quase 500 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia, visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.(RM-NM)

Pesquisar

Últimas Notícias

Rádio Moçambique

Rua da Rádio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP
Email: info@rm.co.mzFixo: +258 21 42 99 08Fax: +258 21 42 98 26
Subscreva agora

Bem-vindo ao nosso Centro de Subscrição de Newsletters Informativos. Subscreva no formulário abaixo para receber as últimas notícias e actualizações da Rádio Moçambique.

Instale a nossa App

crosschevron-down linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram