ONU destaca que o mar é o maior recurso de que Moçambique dispõe

Published in Economia
sexta, 19 novembro 2021 23:03
Rate this item
(0 votes)

A representante residente das Nações Unidas em Moçambique disse hoje que o mar é o maior recurso de que o país dispõe, defendendo uma aposta na ciência e inovação para um desenvolvimento económico sustentável.

"Os oceanos são o maior recurso de Moçambique e são também um recurso que, se bem usado, não vai acabar", declarou à Lusa Myrta Kaulard, à margem da 2.ª edição da Conferência Internacional "Crescendo Azul", que termina, esta sexta-feita em Vilankulo, província de Inhambane.
Para a representante residente da ONU no país, a adopção de uma estratégia baseada na inovação tecnológica e fundada numa exploração sustentável estão entre as condições para que se aproveite o potencial marítimo de que o país dispõe, num momento em que a industrialização é apontada como o principal objectivo em quase todos os scetores económicos.
"Não podemos ter uma industrialização sem conservação e existe ciência, tecnologia e oportunidades para fazer um desenvolvimento económico junto com a conservação. Este deve ser o caminho porque o que nós fizemos nos tempos anteriores foi um horror", frisou Myrta Kaulard, admitindo, no entanto, que estas estratégias precisam de investimentos, principalmente para as comunidades que do mar dependem.
Se, por um lado, o oceano é uma oportunidade para o desenvolvimento sustentável do país africano, por outro, recai sobre Moçambique um grande desafio: segurança marítima, num país com 2.700 quilómetros de costa.
"Conhecemos todos os desafios do oceano Índico, entre os quais o tráfico ilícito", afirmou Myrta Kaulard, frisando que o país africano precisa ter "conhecimentos específicos sobre as condições do mar".
"Moçambique está a lutar para atingir o desenvolvimento sustentável, mas é um país muito vulnerável às mudanças climáticas. Isto é um desafio muito grande e, por isso, o país precisa de apoio de todos países", acrescentou.
Embora com baixos níveis de poluição, Moçambique sofre ciclicamente com o impacto de desastres naturais, o que coloca o país entre os mais interessados em travar o aquecimento global, a subida dos oceanos e a proliferação de eventos meteorológicos extremos.
No entanto, os desafios são enormes face aos altos índices de pobreza e à ambição de alcançar uma economia industrializada, num momento em que alguns combustíveis fósseis (como o carvão e o gás) continuam entre os principais produtos de exportação.
A 2.ª edição da Conferência Internacional "Crescendo Azul" arrancou na quinta-feira, juntando mais de 1.500 pessoas em Vilankulo, na província de Inhambane, com o objectivo de promover uma economia baseada nos oceanos, debatendo mecanismos para a protecção da biodiversidade em Moçambique. (RM /NMinuto)

Read 130 times

Economia

Escolha do editor

Publicidade

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco