Morte de Isabel II reacende debate sobre passado colonial em África

Publicado: 12/09/2022, 21:43
Categoria:

A morte da rainha Isabel II provocou uma avalanche de condolências de chefes de Estado africanos, que elogiaram a líder "extraordinária", mas também reacendeu um debate sensível sobre o passado colonial na África de língua inglesa.
Do Quénia à Nigéria e à África do Sul, à morte da monarca britânica vários chefes de Estado africanos reagiram elogiando a líder "extraordinária" e partilhando memórias das suas frequentes visitas ao continente, em 70 anos de reinado.
Mas, ao mesmo tempo, a morte de Isabel II reacendeu um debate sensível sobre o passado colonial na África de língua inglesa, incluindo sobre o papel da rainha como chefe de Estado durante o domínio britânico, refere a agência France-Presse.
Quando Elizabeth nasceu em 1926, o Império Britânico estendia-se por seis continentes. Durante o seu reinado, que começou em 1952, a maioria dos 56 países que hoje compõem a Commonwealth conquistaram a independência, incluindo muitas nações do continente africano, como Gana, Quénia ou Nigéria.
A sua morte ocorreu num momento em que os países europeus estão sob pressão para aceitarem a sua história colonial, pedirem perdão por crimes passados ??e devolverem património africano roubado e mantido ao longo de anos em museus de Londres ou Paris.
O Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, e o Presidente queniano, Uhuru Kenyatta, estão entre os que expressaram condolências pela perda de um "ícone", mas muitos africanos também falaram das tragédias da era colonial e do seu governo.
Como no Quénia, onde a revolta Mau Mau, que ocorreu de 1952 a 1960 contra o domínio colonial, matou pelo menos 10 mil pessoas, numa das repressões mais sangrentas do Império Britânico.
A Grã-Bretanha concordou em 2013 - mais de meio século depois - em compensar mais de 5.000 quenianos que sofreram abusos horríveis durante a revolta, como parte de um acordo no valor de quase 20 milhões de libras (23 milhões de euros).
"A rainha deixa um legado misto de repressão brutal aos quenianos pelo seu próprio país e relacionamentos mutuamente benéficos", lê-se no The Daily Nation, principal jornal do Quénia, num editorial do fim-de-semana.
Elizabeth estava em visita ao Quénia, em 1952, quando o seu pai morreu e se tornou rainha.
"O que se seguiu foi um capítulo sangrento na história do Quénia, com atrocidades cometidas contra um povo cujo único pecado foi clamar pela independência", adiantou.
Na Nigéria, o país mais populoso da África, o Presidente Muhammadu Buhari homenageou a monarca britânica, dizendo que a história de seu país "nunca estará completa sem um capítulo sobre a rainha Elizabeth II". Enquanto uns elogiaram o papel que Isabel II desempenhou até à independência da Nigéria, outros apontaram-na como chefe de Estado quando a Grã-Bretanha apoiou os militares nigerianos durante a guerra civil do país.
Mais de um milhão de pessoas morreram na guerra do Biafra entre 1967 e 1970, principalmente de fome e doenças, durante o conflito pós-declaração por oficiais étnicos Igbo no sudeste do país.
"Se alguém espera que eu expresse algo além de desprezo pela monarca que supervisionou um governo que apoiou o genocídio que massacrou e deslocou metade da minha família (…)", lê-se nas redes sociais.
Na África do Sul, as reacções também se dividem, entre o Presidente Cyril Ramaphosa, que lamentou a morte de uma figura "extraordinária", e uma parte dos jovens que se recusa a elogiar a monarca.
Como o partido de esquerda radical da África do Sul, o Economic Freedom Fighters (EFF), que escreveu num comunicado: "Não lamentamos a morte de Elizabeth, pois para nós a sua morte é uma lembrança de um período muito trágico na história deste país e da África".
"Durante os seus 70 anos de governo, ela [a rainha britânica] nunca reconheceu as atrocidades que a sua família infligiu aos povos que a Grã-Bretanha invadiu pelo mundo", acrescentou o partido, referindo-se em particular ao tráfico de escravos e ao colonialismo.
Mukoma Wa Ngugi, filho do escritor queniano de renome mundial Ngugi wa Thiong'o e também romancista e professor da Universidade de Cornell, questionou o legado da rainha na África.
"Se a rainha tivesse se desculpado pela escravidão, colonialismo e neocolonialismo e incentivado a monarquia a oferecer compensações pelos milhões de vidas tiradas em seu nome, então talvez eu me sentisse mal", escreveu na rede social Twitter.
"Como queniano, não sinto nada. Este teatro é um absurdo", acrescentou. (RM /NMinuto)

Tags: ,

Pesquisar

Últimas Notícias

Rádio Moçambique

Rua da Rádio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP
Email: info@rm.co.mzFixo: +258 21 42 99 08Fax: +258 21 42 98 26
Subscreva agora

Bem-vindo ao nosso Centro de Subscrição de Newsletters Informativos. Subscreva no formulário abaixo para receber as últimas notícias e actualizações da Rádio Moçambique.

Instale a nossa App

crosschevron-down linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram