OMS quer combater resistência aos medicamentos anti-maláricos em África

Publicado: 18/11/2022, 13:57

A Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou esta quinta uma estratégia de combate à resistência aos medicamentos anti-maláricos em África, que está a preocupar as autoridades no continente.

Nos últimos anos, têm-se registado casos de resistência emergente de parasitas à artemisinina, o composto principal dos melhores medicamentos disponíveis para tratar a malária em África, segundo um comunicado da OMS.

Há também sinais preocupantes de que os parasitas em algumas áreas podem ser resistentes a medicamentos, que são normalmente combinados com a artemisinina, pelo que a OMS considera necessárias "medidas vigorosas para proteger a sua eficácia".

A estratégia da OMS é lançada quando decorre a Semana Mundial de Sensibilização Antimicrobiana, uma campanha anual global para melhorar a sensibilização para a crescente ameaça da resistência aos antibióticos e outros medicamentos.

"Embora a resistência aos medicamentos antimaláricos seja um sério motivo de preocupação, as terapias combinadas à base de artemisina (ACT) continuam a ser o melhor tratamento disponível para o tratamento da malária falciparum sem complicações", observou Pascal Ringwald, responsável da nova estratégia e coordenador do Programa Global da OMS contra o Paludismo.

A OMS recomenda actualmente seis terapias combinadas diferentes à base de artemisinina, como tratamento de primeira e segunda linha para o paludismo falciparum sem complicações.

A uma escala global, a resistência parasitária à artemisinina foi identificada na sub-região do Grande Mekong e em várias áreas de África, nomeadamente Uganda, Rwanda e Eritreia.

Até à data, a resistência aos fármacos parceiros da ACT não foi confirmada em África e o tratamento permanece altamente eficaz.

No entanto, há alguns sinais preocupantes: Faltam dados para vários países e as conclusões contraditórias sobre a eficácia da ACT precisam de ser mais bem avaliadas.

Tendo em conta a forte dependência de ACT em África, o fracasso total do tratamento poderia ter consequências muito graves.

"Não temos assim tantas opções para medicamentos contra a malária", observou Dorothy Achu, a nova chefe de equipa da OMS para as Doenças Tropicais e Vectoriais para a Região Africana da OMS.

Em 2016, os investigadores do Imperial College London avaliaram o impacto potencial da resistência generalizada, tanto à artemisinina como a um medicamento parceiro em África, tendo concluído que resultaria em mais 16 milhões de casos de paludismo por ano e cerca de 360.000 casos mais graves que exigiriam hospitalização, levando a 80.000 mortes adicionais por ano.

Neste mesmo cenário, o impacto económico anual em todo o continente africano foi estimado em mil milhões de dólares. (RM-Angop)

Tags: 

Pesquisar

Últimas Notícias

Rádio Moçambique

Rua da Rádio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP
Email: info@rm.co.mzFixo: +258 21 42 99 08Fax: +258 21 42 98 26
Subscreva agora

Bem-vindo ao nosso Centro de Subscrição de Newsletters Informativos. Subscreva no formulário abaixo para receber as últimas notícias e actualizações da Rádio Moçambique.

Instale a nossa App

crosschevron-down linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram