Top Ad
Millenium Bim
www.bimcom
A sua banca aqui consigo
Matola Gas Company
www.mgc.com
A força da energia limpa moçambiana!
×

Alerta

Falha ao carregar ficheiro XML

Zambézia: Julgamento do antigo Director Provincial de Educação e Desenvolvimento Humano retoma a 12 de Novembro

quarta, 23 setembro 2020 15:30
Rate this item
(0 votes)

O Tribunal Provincial da Zambézia  retoma a 12 de Novembro, o julgamento do antigo Director Provincial de Educação e Desenvolvimento Humano na Zambézia, Armindo Primeiro, depois de ter interrompido esta terça-feira, para a realização de mais diligências.

 

Entretanto, Armindo Primeiro, declarou esta terça-feira em sede de julgamento, no caso em que é acusado de desvio de cerca de três milhões de meticais, que foi traído pelos colaboradores na adjudicação das obras de reabilitação da Casa de cultura de Chinde.

Armindo primeiro, disse na sessão de acareação com declarantes e outros co-réus, que nunca manteve contacto com o empreiteiro, sediado em Maputo, mas confirmou ter assinado o contrato em casa, enquanto gozava férias disciplinares.

Durante a audição, o tribunal questionou ao réu Armindo Primeiro, por que razão em pleno gozo de férias disciplinares terá assinado contrato para uma empresa desconhecida e sem envolver os técnicos da UGEA e a unidade de construção.

Armindo primeiro respondeu declarando que estava confiante nas informações que eram lhe fornecidas dadas pelo co-réu Paulo Muiambo, que a data dos factos, era representante do Ministro da Educação e Cultura para área de construções na Zambézia.

Por seu turno Paulo Muiambo, indagado pelo tribunal garantiu que o réu Armindo Primeiro conhecia todo o processo de contratação da empreitada e que não era da sua competências ordenar a assinatura do contracto, a favor da empresa.

O co-réu Carlitos António, que a data dos factos desempenhava as funções de chefe do departamento e administração e finanças, na Direcção Provincial de Educação e Desenvolvimento Humano, disse ao tribunal ter sido pressionado várias vezes pelo réu Armindo Primeiro para efectuar o pagamento, mesmo sem garantia bancária, alegando que tratando se do fim de ano, o tesouro iria retirar o valor do sistema.

Já na fase de acareação, o Ministério Publico questionou a antiga chefe da UGEA, na qualidade de declarante, porque que razão teria assinado o contrato para o pagamento de cem por cento do valor, mesmo sem participar no processo de procurement, e concurso publico.

Ana Santana, disse que recebeu os documentos impressos com orientação para simplesmente assinar, mesmo sem garantia bancária do empreiteiro. (RM Zambézia)

Read 193 times

Escolha do editor

Publicidade

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Maputo, MZ

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco