Print this page

Recuperação mundial será "uma miragem" se não incluir África, diz OCDE

Published in Política
segunda, 22 fevereiro 2021 13:49
Rate this item
(0 votes)

O secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) disse esta segunda-feira que o fim da pandemia de covid-19 a nível mundial será uma "miragem" se África não conseguir erradicar o vírus.

 

"O fim da pandemia e a recuperação económica mundial podem ser uma miragem se a recuperação não incluir África, é por isso que a cooperação internacional é tão importante agora, mais do que nunca, precisamos de reimaginar a ajuda ao desenvolvimento", disse Angel Gurría na intervenção inicial do 20º Fórum Económico Internacional de África, que hoje decorre em formato virtual a partir de Paris.

"Os países desenvolvidos gastaram 14 biliões de dólares [11,5 biliões de euros] no combate ao vírus, mas a Ajuda Oficial ao Desenvolvimento é de apenas 153 mil milhões de dólares [126 mil milhões de euros], estando a Covax subfinanciada, por isso o que pergunto é como é possível a Covax estar subfinanciada quando os países gastaram 100 vezes mais em estímulos que na AOD, já que isto significa que podem multiplicar a ajuda e partilhar as vacinas para combater a pandemia", defendeu Angel Gurría.

Na abertura do Fórum, organizado pela OCDE e pela União Africana, em conjunto com a Presidência do Senegal, Angel Gurría exemplificou a escala do impacto da covid-19 com a quebra económica originada pela crise financeira mundial, em 2008, dizendo que "no ano passado 41 economias africanas sofreram um declínio no PIB, o que compara com apenas 11 na crise financeira de 2008".

Para o secretário-geral da OCDE, a pandemia veio agravar a queda das receitas dos governos face ao número de pessoas, que já tinha caído 18% entre 2010 e 2018, e deverá ter caído mais 10% em 2020 em pelo menos 22 economias africanas, a que se junta a queda de 18% das poupanças, 9% nas remessas e "uns impressionantes" 40% no Investimento Directo Estrangeiro.

"A Ajuda Oficial ao Desenvolvimento não será suficiente para compensar estas contracções, que se juntam às emergências pré-covid-19, como a crise alimentar e a crise de segurança na África subsaariana, que foram exacerbadas pela pandemia e vão alimentar-se dela", acrescentou o responsável.

Para garantir a recuperação das economias africanas, Angel Gurría defendeu "uma acção coordenada e ousada", que passa pela aposta na digitalização, melhoria das receitas internas e aceleração da diversificação em todos os países do continente. (RM-NM)

Read 174 times