Top Ad
Millenium Bim
www.bimcom
A sua banca aqui consigo
Matola Gas Company
www.mgc.com
A força da energia limpa moçambiana!
×

Alerta

Falha ao carregar ficheiro XML

Haiti: Governo interino pede ajuda militar aos Estados Unidos

Published in Política
sábado, 10 julho 2021 23:08
Rate this item
(0 votes)

O Governo interino do Haiti disse que pediu aos Estados Unidos que enviassem tropas para proteger as principais infra-estruturas, enquanto tenta estabilizar o país e se preparar para as eleições, após o assassínio do Presidente Jovenel Moise.

"Definitivamente precisamos de ajuda e pedimos ajuda aos nossos parceiros internacionais", disse o primeiro-ministro interino, Claude Joseph, à agência de notícias Associated Press (AP) numa entrevista por telefone na sexta-feira.
"Acreditamos que nossos parceiros podem ajudar a polícia nacional a resolver a situação", acrescentou Joseph.
Entretanto, o Governo de Biden não deu até agora alguma indicação de que fornecerá assistência militar ao Haiti.
Por enquanto, o executivo norte-americano pretende apenas enviar funcionários do FBI para ajudar a investigar um crime que mergulhou o Haiti, um país já devastado pela pobreza e pela violência de gangues, numa batalha desestabilizadora pelo poder e num impasse constitucional.
Na sexta-feira, um grupo de legisladores anunciou que havia nomeado Joseph Lambert, actual líder do Senado no Haiti, como Presidente interino, num desafio directo à autoridade do Governo interino de Claude Joseph.
Os parlamentares também reconheceram como primeiro-ministro Ariel Henry, que Moise seleccionou para substituir Claude Joseph um dia antes de ser morto, mas que ainda não havia assumido o cargo ou formado um Governo.
"Não estou interessado numa luta pelo poder", disse Joseph, que assumiu a liderança do país com o apoio da polícia e dos militares.
"Só há uma maneira de as pessoas se tornarem Presidente no Haiti. E isso é por meio de eleições", indicou.
Centenas de haitianos reuniram-se diante da embaixada dos Estados Unidos em Port-au-Prince, implorando para sair do país. Mulheres carregavam bebés e jovens agitavam passaportes e documentos de identidade enquanto gritavam: "Refúgio!" e "Ajuda!".
O Presidente haitiano Jovenel Moise foi assassinado na quarta-feira, na sua residência, e sua mulher também ficou ferida.
A polícia haitiana diz que o ataque foi perpetrado por um comando composto por 28 pessoas, das quais 26 são colombianas e duas outras são haitianas-americanas.
Até agora, 20 pessoas foram detidas pelo alegado envolvimento directo no ataque, incluindo 18 colombianos e os dois americanos.
O Governo colombiano confirmou que vários dos detidos são antigos militares e ofereceu a sua cooperação às autoridades haitianas na investigação.
Um procurador do Haiti convocou dois magnatas, Réginald Boulos e Dimitri Vorbe, e os antigos senadores da oposição Youri Latortue e Steven Benoît para testemunharem sobre o assassínio do Presidente Jovenel Moise.
O assassínio do Presidente haitiano, morto na sua residência, levou o Governo haitiano a declarar o estado de sítio por um período de 15 dias. (RM /NMinuto)

Read 110 times

Escolha do editor

Publicidade

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Maputo, MZ

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco