Vírus estava em vários locais de Wuhan, pode ter circulado semanas antes

Publicado: 09/02/2021, 11:00

A missão de especialistas da OMS que chegou a Wuhan a 14 de Janeiro para determinar a origem do vírus fez esta terça-feira uma conferência de imprensa a partir de um hotel, na cidade onde surgiram os primeiros casos de SARS-CoV-2.

 

Peter Ben Embarek, especialista em segurança alimentar e zoonoses, responsável pela missão da OMS, começou a sua intervenção de forma muito clara, indicando que as primeiras conclusões do grupo de trabalho não vão alterar aquilo que já se conhece. "Mudou dramaticamente a história? Não. Melhorou o nosso conhecimento, acrescentou detalhes? Absolutamente".

A equipa de especialistas da Organização Mundial de Saúde (OMS) que se encontra em Wuhan, na China, para tentar descobrir a origem da pandemia de Covid-19 deu esta terça-feira uma conferência de imprensa.

Liang Wannian, responsável pela equipa de especialistas na Covid-19 da Comissão de Saúde da China, foi quem apresentou as principais conclusões indicando que pode ter existido circulação não reportada do novo coronavírus em outras regiões, algumas semanas antes de Wuhan. O especialista indica que a revisão da investigação aos dados sugere que as primeiras indicações de circulação do vírus em estudos não publicados precedem a detecção inicial de casos em várias semanas.

Porém, explicou que não há indicação de propagação do SARS-CoV-2 na população antes de Dezembro de 2019 e não há evidências suficientes para determinar se o vírus esteve em Wuhan antes dessa data.

O mercado de Huanan, em Wuhan, foi uma das localizações onde o vírus surgiu, a transmissão estava também a ocorrer em outros locais de Wuhan, na mesma altura. Ainda não é possível, com as evidências atuais, determinar como o SARS-CoV-2 foi introduzido no mercado de Huanan.

O especialista indicou que a recolha de provas em cavernas com morcegos em Wuhan e noutros locais, com outros animais, não resultou na identificação do vírus que causa a Covid-19.

O responsável pela missão da OMS, Peter BenEmbarek, acrescentou, sobre este ponto, que todo o trabalho que diz respeito à identificação da origem da Covid-19 continua a apontar para uma reserva natural de morcegos, mas que é improvável que seja em Wuhan. 

Não foi, ainda, possível localizar a reserva animal intermediária do coronavírus (transmissão para o ser humano a partir de um animal). A pesquisa sobre a introdução do vírus "é um trabalho em progresso", disse Embarek.

O especialista em segurança alimentar e zoonoses indicou que foram investigadas todas as hipóteses, incluindo a hipótese de um acidente num laboratório, conforme foi avançado. "Foram equacionados argumentos contra e a favor", disse, até para "poder levar a investigação numa direcção útil", acrescentando que a "hipótese de acidente em laboratório é extremamente improvável".

Embarek indicou que há várias hipóteses ainda em cima da mesa, incluindo a circulação de comida congelada, sendo que "uma espécie intermediária é a mais provável" e a que requer mais investigação. (RM-NM)

Pesquisar

Últimas Notícias

Rádio Moçambique

Rua da Rádio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP
Email: info@rm.co.mzFixo: +258 21 42 99 08Fax: +258 21 42 98 26
Subscreva agora

Bem-vindo ao nosso Centro de Subscrição de Newsletters Informativos. Subscreva no formulário abaixo para receber as últimas notícias e actualizações da Rádio Moçambique.

Instale a nossa App

crosschevron-down linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram