Juvenal Bucuane lança “Masingita ou a Subtileza do Incesto”  próxima quarta-feira, em Maputo

Publicado: 17/09/2022, 19:49
Categoria:

“Masingita ou a Subtileza do Incesto” é título do novo livro do escritor Juvenal Bucuane a ser lançado, próxima quarta-feira, no Camões – Centro Cultural Português, em Maputo, pelas 17:30 horas.
Masingita cujos sinónimos são: muhlolo ou mahlori nas línguas bantu, particularmente a ronga e a changana, ambas do Sul de Moçambique, é plural de singita, traduzido por: milagre, maravilha, acontecimento extraordinário, facto sobrenatural.
Segundo o autor, a obra é a “ súmula, um tanto extensa, de uma notícia publicada em Junho de 2020, num dos jornais de circulação nacional, com o seguinte teor: “Mulher que engravidou de seu próprio filho, já deu à luz: (…) mulher dos seus 44 anos ficou grávida do seu próprio filho de 21 anos de idade, em Maputo, concretamente na zona de Chamanculo, em Setembro do ano passado…”, numa circunstância plenamente involuntária, para ambos e ao fim de nove meses de gestação, deu à luz um bebé que, no trato relacional social normal, seria seu neto, não fosse biologicamente seu filho, o segundo, filho de seu primogénito” .
A novela ficciona uma prática que, existindo na sociedade moçambicana, muitas vezes, é ignorada, incesto, uma união ilícita entre parentes próximos, em grau proibido por lei.
No centro da narrativa encontram-se Marta e Pepuka, que, para o autor, representam a personificação de pessoas reais. No entanto, a fim de não ferir susceptibilidades, o autor tomou o devido cuidado, ora subvertendo o perfil das personagens, ora dando-lhes existência particular. “Aliás, todas as personagens do livro são fictícias, assim como os lugares-cenários e actos.
“Passei os diferentes estágios do meu crescimento em diversos bairros suburbanos da capital moçambicana e conheço deles o bastante para poder contar como se vive nesses lugares”, disse o escritor numa recente entrevista à revista Soletras.
A escrita de "Masingita ou a Subtileza do Incesto" foi, para Juvenal Bucuane, um exercício árduo, pois o seu grande desafio estava além de uma mera ficção, “por implicar algo que me parecia profundo e verdadeiro, factual, que para ser abordado com alguma probidade, tinha de ser feito com recurso a algum caso precedente, ocorrido em alguma época e em algum lugar. Assim busquei reminiscências do que estudei há bastante tempo sobre a antiguidade na história universal, mais propriamente, a relação entre o Rei Édipo e a Rainha Jocasta, que serviu de base para as pesquisas psicanalistas de Sigmund Freud”.
Esta novela foi escrita durante o segundo semestre de 2021, numa altura em que o escritor se encontrava confinado em casa, por causa da covid-19.
Juvenal Bucuane define "Masingita" como uma crítica, por saber que o incesto, acto abjecto, acontece no seio de muitas famílias e é consentido mesmo sabendo-se que é moralmente condenável.
“É, também, uma intervenção, pois penso que aqueles que o lerem e não se coadunarem com a sua prática, não só ficarão escandalizados com esta realidade que no livro trago, como também, cientes da corrosão que o incesto provoca no seio das famílias e em geral da sociedade, algo farão para ajudar na sua erradicação”, reforçou o escritor na mesma entrevista à Soletras.
O novo livro de Juvenal Bucuane, o seu primeiro pela Editorial Fundza, será apresentado no Camões – Centro Cultural Português em Maputo pelo jornalista e ensaísta José dos Remédios.
Publicações
Juvenal Bucuane publicou mais de vinte livros em poesia e prosa (conto, romance e ensaio), com trabalhos seus publicados em várias antologias literárias nacionais e estrangeiras:
A Raiz e o Canto – 1984 (poesia); Requiem: com os olhos secos – 1987 (poesia); Xefina – 1989 (contos); Segredos da Alma – 1989 (poesia); Limbo Verde – 1992 (poesia); Kumbeza – 1997 (contos); A Denúncia – 2003 (romance); Marco Zero – 2004 (poesia); Epicentro – 2005 (poesia); Sal da Terra: Histórias do nosso chão – 2005 (contos); Zevo, O Miliciano (e outros contos) – 2009; Desabafo (e outras estórias) – 2009; Xefina (2ª edição); Coautor em Igreja de Malehice – 2005 (história); Crendice ou crença – Quando os manes ancestrais se tornam deuses – 2012; O Fundo pardo das coisas – 2015; Arresto de Vozes (Ou o cúmulo discursivo literário, Vol. I – 2017; Meu Mar (1ªedição) – 2018 (poesia); Arresto de Vozes (Ou o cúmulo discursivo literário, Vol. II – 2018; Meu Mar (2ª edição) – 2019; Arresto de Vozes (Ou o cúmulo discursivo literário, Vol. III – 2020; Bairro Indígena, Memórias do esplendor e da degeneração 1938/40-1966 – 2021 (Memórias); Geração Charrua – Uma Juventude Literária ao Ritmo do seu Tempo 1983-1986 (Memórias); Galardão/Prémio literário “Escritor do Ano 2019” pelo CEMD, em Lisboa.

O escritor Juvenal Bucuane nasceu em Xai-Xai a 23 de Outubro de 1951. Doutor Honoris Causa em Literatura e Filosofia, pela Cypress International Institute University do Texas (EUA); Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Eduardo Mondlane; Licenciado em Linguística pela Faculdade de Letras (actual Faculdade de Letras e Ciências Sociais) da UEM; Curso de Estudos Portugueses pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Membro efectivo da Associação dos Escritores Moçambicanos; Membro Honorário do CEMD; Membro Honorário do MIL, Embaixador Cultural da Unión Hispanomundial de Escritores – UHE Moçambique; Membro da International Mariinskaya Academy IMA (Departamento da República de Moçambique). (RM / Camões CCP)

Tags: 

Pesquisar

Últimas Notícias

Rádio Moçambique

Rua da Rádio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP
Email: info@rm.co.mzFixo: +258 21 42 99 08Fax: +258 21 42 98 26
Subscreva agora

Bem-vindo ao nosso Centro de Subscrição de Newsletters Informativos. Subscreva no formulário abaixo para receber as últimas notícias e actualizações da Rádio Moçambique.

Instale a nossa App

crosschevron-down linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram